sábado, 31 de março de 2012

PERSONALIDADES ALCAIDENSES


JOAQUIM GIL PINHEIRO

                Joaquim Gil Pinheiro, conhecido pelo Pinheirinho, nasceu no Alcaide, em 1855, emigrou para o Brasil, em 1878, onde angariou notável fortuna, como apicultor e fabricante de velas. Morreu em 1926, em Coimbra, e os seus restos mortais encontram-se em jazigo, na cidade de São Paulo, no Brasil.
                A este alcaidense, se ficou a dever a exploração e canalização da água para abastecimento da população, bem como a construção, em 1914, dos chafarizes da Praça, que ostenta uma escultura com seu busto, e do Adro, assim como a construção do tanque dos burros, para os animais se dessedentarem. Tem o seu nome perpetuado na Praça, com um busto no chafariz.
                Publicou: Primícias, Poema dos Principais factos da História do Brasil até à sua Independência, 1900, São Paulo, Roteiro de Lisboa – Histórico, Hidrográfico, Corográfico, Arqueológico e Estatístico, 1905, São Paulo, Brasil, com minuciosas instruções ao viajante, que ainda hoje serve de guia, em Lisboa, Memórias de M’Boy, etnográficas, históricas e etimológicas, Os Dois Carecas, comédia em três actos de costumes portugueses, e Maricas, cena cómica em um acto em três quadros.
                Gil Pinheiro deslocava-se várias vezes ao Alcaide, onde construiu um engenho para fabrico de velas, conhecido como Lagar da Cera, destruído há três anos. O lagar ficou na toponímia alcaidense: a Rua do Lagar da Cera, que começa no lugar onde estava o engenho.


Joaquim Gil Pinheiro

Túmulo de Joaquim Gil Pinheiro, no cemitério de São Paulo, Brasil.

O Chafariz da Praça, com o busto de Joaquim Gil Pinheiro, na altura da inauguração.
O lagar da cera.
Vara da prensa do lagar da cera.
Parede lateral do lagar da cera, com pedras onde estava fixa a vara da prensa.



3 comentários:

  1. Bom dia,
    Acabo de ler o seu blogue. Fico contente de saber da existência dum lagar da cera mas surpreendido das informações de que ficou destruído. Eu som da Galiza e estou a realizar um estudo sobre a ceireiría tradicional. Na nossa terra também existem lagares da cera. Por Portugal conheço o lagar da cera de Felgueiras em Torre de Moncorvo.
    Escrevo para perguntar se sabem vocês doutros lagares pela sua zona e se existen restos do lagar da cera de Alcaide? Há eiras para “curar” a cera en Alcaide?
    Muito obrigado pelas suas atenções.
    O meu endereço-e é o seguinte: decopena@uvigo.es

    ResponderExcluir
  2. Boa Tarde,

    Sou brasileiro e vivo na cidade de Embu das Artes (Estado de São Paulo), lugar sobre o qual Joaquim Gil Pinheiro escreveu um belo livro datado de 1910 (segunda edição em 1912).

    Gostaria de obter mais informações sobre este admirável personagem, e se o Lagar de Cera ainda tem ruínas a preservar. Poderiamos pensar em um Museu em sua homenagem. Posso contribuir com as informações que estou coletando no Brasil.

    Atenciosamente,

    Márcio Amêndola de Oliveira
    Jornalista e Historiador
    fatoexpresso@gmail.com
    www.fatoexpresso.com.br

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, sou natural desta freguesia. O lagar da cera efetivamente já não existe há alguns anos, não existem ruínas, uma vez que foi construída uma vivenda em seu lugar, e não tenho conhecimento de que se tivesse preservado algum material que estivesse no seu interior.

    ResponderExcluir